Atrair, recrutar, analisar, selecionar, e depois esquecer?

Nos últimos dias uma postagem em um fórum do LinkedIn chamou bastante minha
atenção. Era um post de uma profissional de RH, indignada, enfurecida e bastante frustrada com os colegas de profissão que vinha mantendo contato ultimamente.
A colega em questão está em uma fase de transição de posições, disponível do mercado e, pelo bom currículo, deve estar passando por algumas entrevistas.

Entretanto, como consequência do bom currículo, a profissional tem uma remuneração também diferenciada, não sendo match para algumas oportunidades do mercado. Porém, o grande ponto de atenção aqui não é o fato de ela ter um bom currículo, uma boa remuneração ou estar disponível no mercado. O ponto que chama atenção aqui são as constantes decepções que nossa colega vem sofrendo com seus companheiros de carreira.
Segundo a profissional, como se não bastasse a péssima qualidade das entrevistas às quais ela está se submetendo, ao desuso de qualquer técnica científica de seleção de talentos que seus potenciais contratantes se valem e à arrogância com que algumas selecionadoras(es) a tratam, um ponto específico merece mais comentários: a falta de retorno.
Sabe-se que desde a revolução industrial a atividade de recrutar, arrebanhar trabalhadores e selecioná-los é feita. Ou seja, podemos chutar, por baixo, uns 240 anos da história do recrutamento e seleção no mundo, mesmo que rudimentares, já eram técnicas de recrutar e selecionar.
É impressionante que nestes 240 anos, pelo menos umas 20 gerações de profissionais já passaram pela cadeira de Recrutamento e Seleção, e até hoje, convivamos com o absurdo que é a ausência do retorno ao candidato em processo seletivo (ou a demora para tal).
Ouso elaborar uma pequena reflexão sobre o tema, mesmo que ainda raza, mas que crie espaço para um debate ainda maior.
Acredito que a ausência do retorno ao profissional está ligado a 3 grandes fatores:
E aí estão os 3 próximos posts para quem quiser "DebateRH" comigo... Em cada um deles trarei minha visão sobre o respectivo problema que identifico nos nossos colegas profissionais de RH, arriscando até algumas saídas para estes problemas... Fique de olho e acompanhe!